Quando vires os teus olhos a verem-te, quando não souberes se tu és tu ou se o teu reflexo no espelho és tu, quando não conseguires distinguir-te de ti, olha para o fundo dessa pessoa que és e imagina o que aconteceria se todos soubessem aquilo que só tu sabes sobre ti.

José Luis Peixoto

domingo, 16 de dezembro de 2012

O melhor que os amigos e as amigas têm a fazer é verem-se cada vez que podem. É verdade que, mesmo tendo passado dez anos, é como se nos tivéssemos visto ontem. Mas, mesmo assim, sente-se o prazer inencontrável de reencontrar quem se pensava nunca mais encontrar. O tempo não passa pela amizade. Mas a amizade passa pelo tempo. É preciso segurá-la enquanto ela há. Somos amigos para sempre mas entre o dia de ficarmos amigos e o dia de morrermos vai uma distância tão grande como a vida.

Miguel Esteves Cardoso

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Levas-me

Regressaste ontem, tal como apareceste da primeira vez, de surpresa. Levas-me, com as palavras sabes que, pelas palavras, eu vou sempre, àquele tempo, aos gelados, às sornas, à preguiça e aos passeios e sorrisos. Levas-me ao céu que é um lugar na terra, a um dos sorrisos mais bonitos, às horas ao telefone e às palavras na parede sempre as palavras. Levas-me às ruas de Sintra e ao chocolate quente. Levas-me ao que fui, ao melhor de mim. 

Levas-me a ver que, apesar de tudo, valeu a pena.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Um pequeno passo para o mundo, um salto gigantesco para mim.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012


Não estava em mim e fui menos eu, menos quem deveria ter sido. Cuidaste de mim, como sempre o fizeste. E, no silêncio da noite, eu ouvi-te e quis dar-te a mão, literalmente, e dizer-te que estava ali, que estou sempre aqui, mas não consegui. A estupidez de uma noite tirou-me as forças.

Even if you cannot here my voice, I'll be right beside you.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Ponto de não retorno


Enquanto continuarmos assim, a tentar, a querer saber, enquanto não chegarmos ao ponto de não retorno, enquanto isso, estamos bem.

título daqui

domingo, 18 de novembro de 2012

Os meus bons dias nos Meus


"Depois, chego ao trabalho, ligo o pc, abro o email e o chat pisca com o "bom dia alegria" ou "buenos dias matosinhos". Não preciso de me esforçar para saber quem é, pois o ritual assim o dita e sei sempre que ao chegar ela o fará com o maior sorriso nos lábios e aquela expressão de menina travessa de sardas no rosto e bochechas rosadas. Sei que o diz com o mesmo carinho com que me lê, com que me escuta e me segue. Com a mesma preocupação de quem quer bem e com o mesmo amor de quem é feliz porque os seus o são" 



Nos bons dias, na banana a meio da manhã, na fruta ao almoço, no voltar atrás na minha burrice. Porque, mais do que não fazer aos outros o que não gosto que me façam a mim, gosto de fazer aos outros o que gosto que me façam a mim. 

sábado, 17 de novembro de 2012


Finalmente ele regressa para compensar a falta que não imagina que lhe faz.

sábado, 3 de novembro de 2012


 Nenhum amor deste mundo, nem do outro, deve ser avassalador ao ponto de te impedir de crescer.

domingo, 28 de outubro de 2012

Ela pode vir brincar?


Somos todas diferentes, sempre fomos. Mas depois, quando nos juntamos todas outra vez, aí voltamos a ter 7, 12 ou 16 anos, voltamos a ser as meninas que brincaram sempre na rua, que não tinham vergonha de pedir comida na casa umas das outras, que partilhavam tudo mesmo sem saberem nessa altura que isso era desabafar. Voltamos a rir-nos com e umas das outras, voltamos a reviver o tempo de jogar à macaca e a partilhar os problemas de agora. E é nestes momentos, nestes pequenos momentos que sinto e sei que por mais voltas que o mundo dê, lá no fundo, vamos ser sempre nós.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Há só uma janela fechada


Há só uma janela fechada, e o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.

Alberto Caeiro

Em Janeiro vou abrir outra janela e ver mais mundo lá fora. Vou fazer uma pausa daquele que tem sido o meu sitio de todos os dias nos últimos tempos. Vou ganhar novos rituais de almoço e lanche, novos bons dias à chegada e até amanhã à saída. Vou passar a pasta dos "emails para todos" e vou deixar de estar, todos os dias. E, se por um lado não podia estar mais ansiosa com a nova aventura, com a possibilidade de fazer um grande trabalho, de conhecer pessoas novas e uma cultura diferente, por outro, estou com medo de abrir a janela e ver que afinal aquele mundo lá fora não é aquilo com que sonhei.   

domingo, 14 de outubro de 2012

Meu irmão


É carne da minha carne e sangue do meu sangue. E quando recorro aquele exercício infantil de tentar perceber o quanto se gosta de quem quer que seja através daquilo que se está disposto a fazer por quem quer que fosse, dou por mim a pensar no motivo pelo qual seria capaz de matar e ocorre-me um de imediato - ele.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012


"Que o ódio que te (vos) mostrei não é o amor que te (vos) sinto"

(mesmo sendo um bocadinho exagerado para o sentido que lhe quero dar, é isto)

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Um bocadinho mais

Não é fácil chegar a mim, pelo menos eu acho que não é. Falo e sorrio com todos. Mas nem com todos desabafo, nem a todos mostro as minhas preocupações, peço conselhos e opiniões. Que é preciso sacarem-me com saca-rolhas, dizem. Eu concordo. Mas depois, há pessoas que me conhecem tão bem que sabem quando preciso de falar, que me fazem querer falar, querer contar coisas que nem eu própria sei bem. E eu gosto quando isso acontece. Gosto de ser assim. Gostei de ter a NC de sempre a preocupar-se comigo, a perguntar e a querer estar sempre (nem que seja só um bocadinho todos os dias). Gostei que me ajudassem a abrir os olhos e a ver que nem sempre estou 100% certa. Gostei de sentir ter crescido um bocadinho mais na partilha.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

"Não tenhas pressa de crescer, não me interpretes mal, crescer é maravilhoso, só não tenhas pressa. Aproveita cada momento, mesmo os de tristeza, os de raiva, não me interpretes mal, não se trata de os alimentar, mas de os viver, apenas vivê-los. Não tenhas pressa de crescer, vive cada dor como deve ser vivida, cada alegria como deve ser partilhada, cada vivência como se dela fosses extrair algo, extrais sempre, não tenhas pressa de crescer. Não tenhas pressa para ser independente, não tenhas pressa, aproveita cada carinho, cada abraço, cada sorriso, cada mimo, lambe cada ferida com compaixão, com amor, por ti, sempre por ti. Não tenhas pressa. Não tenhas pressa, vive o momento como se o merecesses, sente cada gesto, cada toque, cada textura, percorre-a com os teus dedos, a memória da sensação é muito mais duradoura do que a que fica registada no cérebro, essa é volátil, não há hd externo que te salve. Ouve cada palavra, sente cada entonação de voz, observa o piscar dos olhos, observa os olhos, sempre os olhos. Não tenhas pressa de viver, não tenhas pressa para terminar uma tarefa, fá-la com amor, perde tempo com os detalhes. Não tenhas pressa, porque cada passo teu, cada palavra dita, cada ação, cada gesto, cada sensação boa ou má, cada segundo da tua vida passa rápido demais, cada minuto, cada momento, acaba e não volta nunca mais. Não tenhas pressa, porque cada vivência tua te vai ser cobrada mais tarde, cada coisa que recusaste tem um preço, cada coisa que fizeste tem um preço. A vida tem um preço. Não tenhas pressa de viver, vive, regista o melhor que puderes, atenta nos detalhes, os detalhes são o que te prenderá às tuas próprias amarras ou te deixará livre para voares para onde quiseres. Não tenhas pressa, voa devagar, lentamente, não tenhas pressa."



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Volta sempre


Vai. Claro que vai. Volta sempre. 
Mas até voltar, até brilhar com a mesma intensidade, vai ser preciso tempo. Porque é difícil superar as desilusões, as nossas e as dos outros. É difícil não sentir o nosso mundo a tremer quando nos tiram uma grande (e boa) parte de nós. É impossível não fraquejar, não chorar, não querer sair daqui e começar tudo noutro sítio. Mas também é impossível manter-me longe de quem gosto, deixar para trás quem eu sei ser bom, não me agarrar a quem esteve e está sempre do meu lado e saber que um dia, um dia tudo vai voltar a ser como sempre devia ter sido.  

domingo, 9 de setembro de 2012


Por isso, pelo menos para ti, sê tu própria.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

So, here I go.

Here's the thing about mistakes:
Sometimes, even when you know something is a mistake, you gotta make it anyway.

How I met your mother

sexta-feira, 3 de agosto de 2012


Quanto tempo esperaria pela pessoa que ama?

quinta-feira, 2 de agosto de 2012


A NC diz-me que uma das lições que aprendeu comigo foi viver tudo, mas sempre serena. Agora falta-me essa serenidade. Fugiu-me, e eu não sei quando nem para onde. Falta-me a tranquilidade de outros tempos, o resolver as coisas à primeira e saber ser essa a melhor decisão. Falta-me a paz de estar quieta e mesmo assim feliz, a maior parte dos dias. Falta-me o entender tudo com paz, com bondade, sem más intenções. 

E assim, assim não estou feliz.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Makes it so hard not to cry

E depois do counting down já estou de volta. Foi bom, não espectacular, mas bom.
Gostei de te voltar a ver depois de quase 1 ano e saber que continuamos na mesma, ou melhores até. Gostei de conhecer um "paz-de-alma", de te mostrar a loja e as vistas sobre Lisboa. Adorei o almoço no Chiado e o gelado na Santini. Gostei dos concursos, das t-shirts e adorei o bloquinho. Adorei Snow Patrol, Justice e Katy B. Gostei de ir à porta Fnac ter contigo. Gostei das fotos. Adorei ter-vos comigo. Detestei ter sido burra

terça-feira, 10 de julho de 2012

quinta-feira, 5 de julho de 2012


segunda-feira, 2 de julho de 2012

Ar de miúda apaixonada



Horas antes da chegada estava amarela, doente, fui recuperar para casa e ao fim do dia já estava impecável. Afinal, não podia ser de outra maneira. Fomos a uma inauguração e não pude comer nem um petisquinho mesmo sendo de borla. E bebida, só água. A viagem para casa e o antes de adormecer foi cheio de partilhas, como o é sempre que passamos mais de um mês sem nos vermos.

Dormir até tarde e almoço com a mãe antes da ida para a essência do fim-de-semana. Tempo para abusos com frango, passeio pela cidade e compra da bebida do costume. Teleférico e aqui estamos. Muita música, festa, convívio e diversão. Depois o regresso à vossa casa com uma massa de bróculos a acompanhar. Dormir até tarde e sair para uma francesinha e descanso na relva. Ainda houve tempo para um chill out, para me pegarem pelos pés e pelas mãos e para um Rol. 
O melhor foi ouvir que estou com ar de miúda apaixonada, a partilha séria com quem é sempre na palhaçada, compararem-me ao velhinho do Up!, ter-vos perto e gostar tanto de viver assim.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

terça-feira, 19 de junho de 2012

"Anda daí, vem sentar-te na lua comigo. Imagina o trabalhão que tive, mas agarrei uma estrela só para ti.(...)Por isso talvez a nossa amizade venha de outro tempo, um tempo sem tempo, uma existência eterna e paralela onde tu também tens dezoito anos e todas as noites podemos subir à lua e apanhar estrelas. Agora elas andam fugidias, a tecnologia tornou-as mais rápidas e são muito difíceis de apanhar. Anda daí, vem sentar-te na lua. Nunca está frio cá em cima e instalaram umas escadas rolantes para não nos cansarmos na subida. A Lua forrou-se de almofadas brilhantes e distribui mantas e bebidas aos visitantes. Negociei um lugar cativo com o patrocinador oficial e assim podemos ir todas as noites, se quiseres, se puderes, se tiveres tempo e vontade, tu que andas sempre a correr contra o tempo, contra os comboios, contra quem está contra ti. 
Nem sempre conseguimos encontrar-nos no tempo presente, nem sempre tens tempo para mim, mas eu sei que posso contar contigo, que num momento de crise estarás ao meu lado, que voltarás sempre, porque se a vida é um eterno regresso a casa, a amizade é um amor eterno. Por isso anda daí, vamos os dois um bocadinho à lua e quando voltarmos estarás mais bela e mais feliz e podes ter a certeza que o tempo em que estamos com aqueles que nos querem bem é sempre um tempo ganho, como quem acumula pontos de felicidade para o futuro. Mesmo que seja na lua, ou cá em baixo, entre os homens, tanto faz o tempo e o lugar, o que conta é o modo de ser e de amar."

da MRP "anda daí"tirado daqui
  
Muito obrigada pela ajuda ontem. Aquela será sempre a nossa casa! 

terça-feira, 12 de junho de 2012

E o melhor destas loucuras repentinas, destas maluquices de querer meter-me num carro e fazer 800km de viagem no mesmo dia só para aproveitar a noite dos santos, o melhor é saber que tenho quem me quisesse acompanhar, quem alinhasse nesta loucura e quem, não podendo, faz por garantir que este, afinal, não vai ser um dia como os outros.

Menina e moça


 
Lisboa nunca foi a minha cidade, nunca vivi lá, nem tenho lá família. Mas sinto-a como parte da minha vida, da minha história. É lá que vivem muitos dos que escolhi para mim, muitos dos meus, foi lá que voltei quando não sabia onde me encaixar aqui, foi lá que me diverti e senti que, afinal, nunca estamos longe uns dos outros enquanto comemos sardinhas e febras e dançamos no meio da multidão nos Santos. 
E é lá que eu não vou estar hoje, e agora, que me apercebi disso, que me disseram que sem mim não tem a mesma graça, agora senti um aperto no coração e uma vontade enorme de me meter num carro e ir para a vossa beira.

Quem gosta vem. Quem ama fica.


Costumo ir calada nas viagens. Vou a reparar nos pormenores, nos detalhes, no que se passa lá fora, no que nos passa ao lado na correria do dia-a-dia. E é, quase sempre, nos pormenores que sinto as coisas grandes, é dos pormenores que me lembro tempos mais tarde. 
Foi no abraço que recebi à chegada que reparei, na cumplicidade no retocar de pormenores que sempre houve, no entendimento da oração do "Amor tudo crê, tudo suporta". Senti a partilha na casa de banho e no balcão à espera da bebida. Senti a confiança pela preocupação com o GraphPad e o remendar de meias. Senti um nó na garganta de felicidade com os foguetes. Notei lembrarem-se de mim pela lembrança deste dia. Gostei dos "Psssst, cala-te" e da partilha com o possível mal-estar de outro. Diverti-me com o ficarmos as três ali e com os dois abraços logo de manhã (e sim, acho que estou mais ligada a vocês, às vezes até acho que estou a ser cola, mas foi muito tempo em que me fizeram tanta falta). Renovei energias com a praia fria e vazia e com as partilhas que fazem bem. 

Foi um dia cheio de pormenores, dos grandes! 

terça-feira, 5 de junho de 2012



Consigo perceber se alguém é importante para mim pela minha forma de ser quando estou com ou sem essa pessoa. E, durante uns tempos, deixei de ser eu. Aliás, era eu mas incompleta, faltava ali alguma coisa, aliás algumas duas coisas. E quando percebi que não era isso que queria para mim decidi fazer alguma coisa para mudar. 
Apesar do pé atrás, lá no fundo sabia que ia ser bem recebida. E assim foi. Afinal já tinhas um post-it com "You know who I am". E sim, sei. Apesar deste tempo longe, foi por saber quem és que não desisti. E ainda bem. Pusemos a conversa em dia, decidimos que o que lá vai, já foi e que vamos re-construir o nós que agora sinto que nunca desabou.
Voltamos também a ser os três, desta vez para valer. E afinal foi como se nunca nos tivéssemos perdido uns dos outros. Voltei a sentir que "no matter what" vos tenho sempre comigo, tenho sempre para quem correr quando me der essa vontade, quem me dê na cabeça quando preciso e quem me ajude a ultrapassar os dias maus mesmo sem ter de os partilhar. Voltei a sentir o conforto, o aconchego de ser parte de algo maior. E isso, isso é a melhor sensação do mundo.    

quarta-feira, 30 de maio de 2012

From time to time, stop everything you do, and go to your quiet place.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Dizem-me que não é bonito de ver, que "eram tão amigas", que não devia estar chateada. E eu fico sem saber o que dizer. Não digo que não estou chateada, não digo que estou magoada, não digo que todos os dias sinto falta do que éramos. Não digo que nunca conseguirei ser com ninguém aquilo que fomos, 1º porque não acredito poder haver outra minha pessoa e 2º porque fujo quando até acho que isso possa acontecer. Não digo que não canto "When the world seems senseless. It's me and you against them. And I love you 'cause you know who I am." porque já não faz sentido. Não digo que éramos família, inseparáveis, que nos sabíamos de cor, que dizíamos tanto com o silêncio como com rios de palavras. Não digo que sem isto, tudo o resto custa mais a passar.

Guardo tudo para mim, encolho os ombros e digo: São coisas que acontecem

terça-feira, 22 de maio de 2012

As semelhanças estão lá, pelo menos aos meus olhos, e como gato escaldado de água fria tem medo, eu fujo. 

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Dizem que não se deve voltar aos sítios onde já se foi muito feliz, corre-se o risco de não se ser tão feliz como da primeira vez. Eu diria antes que não se deve voltar aos sítios dos quais tens recordações de momentos, de pessoas que sabes que não se voltarão a repetir, corre-se o risco de se ficar nostálgica, de sentir aquele nó na garganta e de sonhar com isso toda a noite.

Afinal ainda não estou preparada

Entre Flip Flops vou ganhando o futuro, o presente, com pequenos passos, pequenos "oupas". O perguntarem-me se estou bem, ajuda; o "raptarem-me" no elevador ajuda; irmos às compras de meninas e acabar no MacDonald's ajuda; o querer sentir, dar mais um passo, conhecer os meus limites, ajuda. E o estar feliz a maior parte dos dias também ajuda.

sábado, 5 de maio de 2012

Xoxa

Estás longe. Sabes que sim. Confirma-lo quando te dizem que andas muito xoxa, quando quem te conhece bem (afinal somos parecidos, precisamos que nos arranquem as coisas a ferros) te diz que andas xoxa. E a verdade é que andas. Há dias que andas muito xoxa. 

"Ela olhou e percebeu que, estava a trancar-se cada vez mais, como a fugir por dentro, para longe, para um lugar tão distante que podia existir só dentro das pessoas."
O filho de mil homens, Valter Hugo Mãe

quinta-feira, 3 de maio de 2012


Foi a minha 1ª viagem sozinha. Ia para Paris em vez de Barcelona. À chegada tinha um cartaz à minha espera, balões, confetis e vocês. Adorei a vila, as maravilhosas comidas, o jantar de tapas que se prolongou até à 1h com tanta conversa (e que me deu ideias fantásticas para o casamento). Relaxei muito a 35ºC mesmo com neve à volta e consolei-me com o chocolate quente e o goufre com nutela. Gostei de sentir que, apesar da idade, continuamos as meninas a jogar às escondidas e à macaca cá fora, que é uma amizade que mesmo à distância não falha, não vacila. Mas o que gostei mais, o que realmente me marcou foi ver que foram feitos um para o outro.  

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Vai aonde te leva o coração


Às vezes preciso de estar comigo para pensar e decidir isto a que chamam Viver.(Fui)

terça-feira, 24 de abril de 2012

Os meus silêncios

Não há nada que me denuncie mais que os meus silêncios. Que o estar no meu canto, calada. E também não há nada como me responderem a um convite para café com um "Não me apetecia muito, mas se estás a ligar é porque queres. Por isso vamos." (por me conhecerem tão bem. a mim e aos meus silêncios)

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Ser grande

Às vezes custa-te ser grande. Ser maior que o resto e manter-te fiel ao que acreditas, ao que sabes ser certo. Às vezes pensas em fraquejar, em responder na mesma moeda, em entrar no jogo. Afinal, seria tão mais fácil. Mas depois sabes-te melhor que isso, sempre te conheceste assim e sabes que, no final do dia, mesmo que te custe a adormecer e até tenhas de limpar as lágrimas uma vez por outra, és muito melhor do que isso.

 

segunda-feira, 16 de abril de 2012

sexta-feira, 30 de março de 2012



I'll be doing my best,
I'll see you soon,
In a telescope lens,
And when all you want is friends,
I'll see you soon.

So they came for you,
They came snapping at your heels,
They come snapping at you heels,
But don't break your back,
If you ever see this,
Don't answer that.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Começo o dia com muitos "bom dia", mesmo à distância. Ponho phones, música e foco-me no trabalho. E depois, ao longo do dia, falo, falo muito, aconselho, ajudo, quero saber, mas também me vou abaixo. Também sou o que não quero e também quero estar sozinha, comigo. Não sou sempre forte. Há dias que, porra, custam muito a passar!

Mas depois falo com quem me quer bem, com quem alinha sempre nas minhas loucuras e fica tudo um bocadinho melhor.

quarta-feira, 21 de março de 2012

sábado, 17 de março de 2012


Uma semana depois e já sinto a vossa  falta. O fim-de-semana não foi bom, foi ainda melhor.
Foi bom chegar e ter-te à minha espera, como sempre, aliás. Contar as novidades a caminho do arco do cego e receber ainda mais assim que lá chegamos. Foi bom voltar a ver os vossos sorrisos e ouvir que os que estão, por mais tempo longe e mesmo que só se vejam quando aí vou, vão estar sempre. Partilharmos preocupações, alegrias e conselhos, muitos conselhos. Chegar a casa e receber o "Keep calm and carry on" porque nunca me fez tanto sentido como agora. Dormir sobre as emoções e os sentimentos.
No dia seguinte, passeamos, fomos gulosas e relaxamos com os budhas. Andamos a correr para o jantar, para mais reencontros e novas companhias. E gostei desta gente nova, do jogo do pau e do passeio pelo Bairro com direito a conversa, muita conversa com quem fala pouco mas acerta sempre tanto.
Manhã de preguiça, tarde de sorna no Parque das Nações e noite de francesinhas e Bimba. E no dia seguinte um reencontro que mexeu comigo, mais do que estava a espera. 
Ficou a promessa de regresso nos Santos e de continuar, todos os dias, a tentar ser [ainda mais] feliz.     

quinta-feira, 15 de março de 2012

Ter um blog

Há dias em que apetece escrever muito, tudo, mas as palavras não saem. Outras que passamos semanas sem escrever porque a vontade não aparece. E outras ainda em que fechamos o blog, em que não nos faz sentido que os outros leiam o que escrevemos, o que sentimos, em que nem nós mesmos sabemos o que sentimos.
E depois há os outros dias, aqueles dias. Os dias em que recebemos um comentário de quem gostou de muito de nos conhecer, de quem nos lê e nos percebe nas entrelinhas, de quem nos acompanha os sorrisos há distância e tão perto, de quem se inicia no mundo dos blogues e quer sempre saber mais. Os dias em que trocamos e-mails com quem só conhecemos deste mundo, que sorrimos pela gravidez anunciada, pela leitura de um bom texto, pelo regresso de muitos e pela demonstração de tantos amores maiores.

E é por estes dias, pelos últimos, que chegamos ao fim do dia e sentimos como é tão bom ter um blog. 

terça-feira, 13 de março de 2012





Gostei tanto, tanto, tanto que ainda não arranjei palavras para descrever o fim-de-semana!

quarta-feira, 7 de março de 2012

March 06, 2012

At some point you have to realize that you have done too much for someone or something, that the only next possible step to do is to stop. Leave them alone. Walk away. It's not like you're giving up, and it's not like you didn't try. It's just that you have to draw the line of determination and desperation, What is truly yours would eventually be yours, and what is not, no matter how hard you try, will never be. 

terça-feira, 6 de março de 2012




[...] o único critério que nos ajuda a seguir em frente não é fazer o que apetece, mas aquilo que é preciso. Quando estamos tristes apetece-nos baixar os braços e é humano que assim seja, mas é justamente nestes momentos que mais precisamos de reagir. Seja.

do Às Nove no meu blog

 E hoje já me apetece baixar os braços amanhã.  

Tão perto e tão longe

Dia de distâncias mal medidas. 

Longe do sítio habitual, da banana que deixou de ser, do burburinho de fundo na sala, da marcação para o almoço e das voltas pelo laboratório. Longe de quem já esteve tão perto e perto de quem continua longe com partilhas de sentimentos, de Big Sou Chi e o entusiasmo pelo fim-de-semana que se avizinha. Perto de quem se aproximou há pouco, por causa do "destino", do entendimento nas diferenças, do espalhar o ser um S e receber um bocadinho de D. 
 

Perto de um fim-de-semana há muito esperado pelos re-encontros, jogos, piadas, palavras e abraços que estamos a precisar.    

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012


Depois de ser a última a chegar ao jantar de aniversário de uma das tuas melhores amigas, nada como ser recebida com um "olá menina Ana" que já ouço desde os 5 anos. É bom continuarmos também vizinhas mesmo com mais alguns metros de distância. 

Entre as entradas, os mal passados para estas meninas e o bolo que saiu melhor que a encomenda voltaram as conversas de sempre, d'A infância. Seguiu-se música, hélio e o Show me the meaning porque "deixa-a cantar que é a música de um grande amor da vida dela". E hoje, um agradecimento que não era preciso porque te conheço tão bem que já sabia que tinhas gostado mesmo antes de ver tudo (está no fundo de ecrã). 

Haverá sempre coisas que nunca mudam. 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Antes de entrar

Sabes que és feliz, que és verdadeiramente feliz, quando fazes a diferença na vida das pessoas, quando o confirmas ao ler uma mensagem:
"Sabes o que ele disse antes de entrar? Que a última coisa que tinha mexido com ele foi o teu miminho e a tua lembrança. Diz que valeu ouro!".
Porque há pessoas que aparecem na tua vida, ficam gravadas no teu coração e mesmo quando a Vida faz questão de as levar para longe, e faz tantas vezes, para um Mundo longe do nosso, fazes questão de as manter por perto, por ser assim que faz sentido. Por ser assim que faz sentido.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Bem-Vinda


Estou inchada de orgulho!

sábado, 18 de fevereiro de 2012

"Uma das muitas lições que aprendi contigo. Viver tudo. Mas sempre serena."

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012


Hoje vi a Lua. E tive saudades tuas.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A gente vai continuar


Longos são os dias em que só queremos "I want to break free" e sentimos que "Here I go again on my own". Outros são em que nos sentimos "Simple the best" e até ouvimos um "Eu gosto tanto de ti"
Mas os melhores são aqueles em que mesmo que pareça que não precisamos, que temos uma força especial, que já temos tudo decidido na nossa cabeça, mesmo assim, ganhamos mais uma pessoa para o círculo íntimo de amigos que nos surpreende ao já não saber viver sem outros connosco ao fim-de-semana e nos comove com um link ao dizer que "Enquanto houver estrada para andar a gente vai continuar"

Obrigada. Muito obrigada!   

domingo, 15 de janeiro de 2012

E depois de nos roubarem de nós como é que nos voltamos a ter? Como volta a alegria no olhar?

Depois, depois vamos bater à porta de quem nos ama, de quem sempre nos amou, de quem sempre cuidou de nós, de quem sempre nos falou com verdade e o nosso olhar vive novamente.

Obrigada Sara. Estou de volta!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012